quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Viagem a Barcelona: Dia 4

No último dia desta nossa viagem a Barcelona, tomamos o pequeno almoço cedo, fizemos o check-out no hotel e deixamos lá as malas pois o voo seria só às 22h50. Seguimos a pé pelo Bairro Gótico e entramos numa parte em que não se pagava da Catedral de Santa Eulália de Barcelona, o jardim do claustro, que ficava a poucos metros do hotel. Prosseguimos e passamos à igreja Santa Maria del Pi (mais um belo exemplo de igreja gótica). A nossa intenção era visitar o Palau Güell, ao pé da La Rambla, que, segundo o guia Time Out Barcelona 2010 que trazia-mos conosco, era gratuito. No entanto, a entrada eram 8€ e assim sendo não entramos. Volta-mos para trás em direcção ao Mercado Santa Catarina com o objectivo de chegar ao Parc de la Ciutadella, que é o parque mais central de Barcelona e bem bonito por sinal.

Jardim do claustro da Catedral
Carrer de Bisbe no Bairro Gótico
Igreja Santa Maria del Pi
Mercado Santa Catarina
Antes de explorarmos o Parc de la Ciutadella vimos o Arco do Triunfo, que fica mesmo ao lado de uma das entradas. Estivemos sensivelmente uma hora no parque e depois seguimos em direção ao mar, mais precisamente em direção à zona de Barceloneta, onde vimos a "Cabeça de Barcelona", do artista Roy Lichtenstein, e almoçamos na esplanada do McDonalds do Shopping Mare Magnum.

Arco do Triunfo
Cascata do Parc de la Ciutadella
Mamute do Parc de la Ciutadella
Monumento ao general Prim, com o Arco do Triunfo ao fundo
Posto isto, dirigimos-nos através da Rambla del Mar até à estação de metro Liceu para ir, tal como no dia de viagem 2, até à zona da Plaça de Espanya e do MNAC (Museu Nacional d'Art de Catalunya), mas desta feita de dia. E de facto valeu a pena visitar esta zona quer dia dia quer de noite.

Rambla del Mar
As Torres Venezianas na Plaça d'Espanya, com a Font Màgic e o MNAC ao fundo
Plaça d'Espanya
MNAC
Vista do MNAC
Depois apanhamos o metro até a Plaça da Catalunya, percorremos pela última vez a La Rambla e as ruas do Bairro Gótico, onde nos lembramos que faltava ver a igreja Santa Maria del Mar, que ficava perto do hotel. Vimos a igreja já de noite, mas não deu para a fotografar em condições e depois metemo-nos num Starbucks também perto do hotel até irmos buscar as malas e seguir de metro e depois de comboio até ao aeroporto de Barcelona, o El Prat.

La Rambla, ao fim da tarde
Plaça del Rei, no Bairro Gótico
Plaça del Rei, no Bairro Gótico
Um edifício do Bairro Gótico

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Viagem a Barcelona: Dia 3

O terceiro dia desta viagem a Barcelona estava destinada, da parte da manhã, a visitar o museu e estádio do FC Barcelona, o Camp Nou. Apanhamos o metro na estação Jaume I, em frente ao hotel, trocamos de linha em Verdaguer e saímos na estação Collblanc, perto do estádio. Esta "Camp Nou Experience" custa 16,50€ para estudantes (22€ para adultos) e dá direito a visitar o museu, o estádio em várias perspectivas, sala de imprensa, balneários, etc. e ainda inclui um audioguia em português (ou outras línguas, se preferir). Estivemos lá cerca de duas horas e depois fomos de metro atá à La Rambla (estação Liceu) almoçar um snack.

Camisola "10" de Diego Maradona
Camp Nou
A parte da tarde não estava destinada a nenhuma visita em concreto e assim sendo passeamos calmamente pelo Bairro Gótico, La Rambla e El Raval, onde paramos um pouco em frente ao MACBA (Museu d'Art Contemporani de Barcelona). Aproveitamos ainda para ir novamente ao Mercado La Boqueria para beber um fantástico sumo natural de laranja a 1€ e fomos tranquilamente para o hotel descansar um pouco.

Plaça de Rei, no Bairro Gótico
Torre da Catedral de Santa Eulália, no Bairro Gótico
Catedral de Santa Eulália
Zona pedonal junto à Catedral
MACBA
Fruta e Sumos Naturais no Mercado La Boqueria
À noite dirigimos-nos novamente à La Rambla para jantar um snack e depois fomos ao Museu Erótico de Barcelona que fica em frente ao Mercado La Boqueria. A entrada era de 8€ para estudantes (9€ para adultos) e ainda tínhamos direito a um copo de cava. No entanto, não gostamos desta visita pois estávamos à espera de uma coisa mais evoluída e não apenas de ver fotos, posteres ou quadros, além do facto de que 20 minutos deram para ver aquilo tudo. Pensamos que àquele preço existem coisas melhores para visitar em Barcelona. Terminada a visita, demos mais umas voltas pela La Rambla, onde vimos uns artistas de rua, e fomos para o hotel fazer as malas para no dia seguinte não perder-mos tempo com isso.

Capas da Playboy, no Museu Erótico de Barcelona
Citação interessante de Billy Cristal, no Museu Erótico de Barcelona
Artista de rua, na La Rambla
La Rambla

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Viagem a Barcelona: Dia 2

No segundo dia da viagem a Barcelona, de baixo de um sol radiante, voltamos a percorrer parte do Bairro Gótico e da La Rambla em direcção à Plaça da Catalunya, para apanhar o autocarro 24 que nos iria transportar até a uma das entradas do Parc Güell, pois a estação de metro mais próxima do parque ficava um pouco afastada. O Parc Güell é Património da Humanidade desde 1984 e inicialmente foi projetado por Antoni Gaudi para ser uma urbanização, contudo devido ao fracasso comercial foi inaugurado em 1926 como parque público da cidade. Aqui aproveitamos para explorar todos os recantos do parque, ver algumas das melhores vistas sobre a cidade de Barcelona e almoçar numa esplanada dentro do parque (no entanto a melhor opção deve ser levar umas sandes já feitas, pois devem ser melhores e muito mais económicas).

Uma das vistas do Parc Güell, com a Sagrada Família em foco
Principal entrada do Parc Güell
O famoso e muito concorrido lagarto
A escadaria do Parc Güell
Quando achámos que estava tudo visto seguimos as indicações até à estação de metro mais próxima (estação Lesseps) e saímos na estação Sagrada Família, que fica em frente à imponente Basílica da Sagrada Família, também projetada por Antoni Gaudi. A construção desta basílica teve início em 1882 e está prevista ficar pronta em 2026. Decidimos entrar e, como somos estudantes, pagamos 11€ (sem desconto seria 13€), no entanto esperavamos um interior mais ao estilo da Fachada da Natividade, o que não é o caso. Apesar da basílica apresentar um interior bastante bonito, é verdade que estavamos à espera de muito mais e no fim ficou uma certa sensação de desilusão, pois preferia-mos não ter entrado e ter ficado só com a imagem do magnífico exterior. Provavelmente de tudo o que vimos nesta viagem a Barcelona, foi a Fachada da Natividade da Sagrada Familia o que mais nos impressionou.

Fachada da Natividade da Sagrada Família
Interior da Sagrada Família
Interior da Sagrada Família
O próximo destino era Passeig de Gràcia, avenida com bastantes lojas de marcas caras e onde se encontram mais duas obras consideradas Património da Humanidade e, também, desenhadas por Antoni Gaudi: a Casa Batlló e a Casa Milà (mais conhecida como La Pedrera). Como já eram quase 17h, só dava tempo para entrar numa e acabamos por escolher a La Pedrera, essencialmente por ser mais barato (11€ estudante, 13€ adulto). Em comparação com a Sagrada Família pensamos que foi dinheiro melhor empregue.

Casa Batlló
Casa Milà (La Pedrera)
Último piso da Casa Milà
Vista da Casa Milà para o Passeig de Gràcia
Depois disto tudo, apanhamos o metro até ao hotel e descansamos um pouco antes do jantar. O jantar desta vez foi num restaurante italiano perto do hotel. Nisto de restaurantes alerto para o facto de os preços que eles têm nas ementas não terem o IVA incluído (à data desta viagem era de 8%), ao contrário do que acontece em Portugal. No fim do jantar, seguimos em direção ao El Bosc de les Fades para beber um copo de cava e, como estávamos à espera, encontramos um ambiente muito diferente do normal. Este bar fica no Museu de Cera de Barcelona perto da estação de metro de Drassanes, na La Rambla.

Museu de Cera
Uma das áreas do El Bosc de les Fades
Quando saímos, apesar de já serem quase 1h da manhã, decidimos ainda dar uma vista de olhos à Rambla del Mar que fica a poucos metros do bar. Depois de inspeccionada a área fomos a pé para o hotel pelas ruelas do Bairro Gótico.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Viagem a Barcelona: Dia 1

Às 6:35 da manhã de um sábado de janeiro de 2012, levantamos voo do aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, com destino ao aeroporto de Barcelona, o El Prat, pela companhia aérea low cost Ryanair. O bilhete de avião tinha ficado por 44,48€, ide e volta, por pessoa. A viagem foi muito tranquila e demorou cerca de 1h45min. No próprio aeroporto adquirimos o T-10, um passe de 10 viagens de comboio/autocarro/metro (que pode ser utilizado por várias pessoas), por 9,25€ e entramos no comboio acabado de chegar (existe um comboio a cada 30 minutos) rumo à estação Sants Estació, onde apanhamos o metro até à estação Jaume I, que ficava em frente ao nosso hotel, o H10 Montcada, de 4 estrelas e em pleno Bairro Gótico.

Hotel H10 Montcada, visto da estação de metro Jaume I
Tratadas as burocracias habituais e com as malas já entregues, fomos a pé e de baixo de uma chuva miudinha em direcção ao Mercado La Boqueria, atravessando parte do Bairro Gótico. Almoçamos num McDonalds que ficava ao pé da Plaça da Catalunya e foi muito engraçado verificar que neste McDonalds estava muita gente que veio connosco no avião. Relativamente aos preços praticados, os preços do McDonalds em Barcelona são ligeiramente mais caros que em Portugal, mas nada de muito significativo.
Prosseguimos para a Plaça da Catalunya, onde, entre outras coisas, fomos à Fnac comprar bilhetes para um concerto dos Arctic Monkeys (grupo inglês de indie rock) a realizar-se nesse dia no Palau Sant Jordi, em Montjuic. Findo isto, fizemos o percurso inverso até ao hotel, onde fomos brindados com um copo de cava (que dizem ser uma bebida típica de Barcelona, mas que nos pareceu ser a mesma coisa que champagne) e decidimos descansar durante uma hora e pouco.

Palau de la Generalitat, na Plaça de Sant Jaume
Mercado La Boqueria
La Rambla
Plaça da Catalunya
Quando saímos do hotel estava a decorrer uma grande manifestação contra o encerramento de um hospital, mas a boa notícia era que tinha acabado de chover. Apanhamos o metro em direcção à Plaça de Espanya e aproveitamos para jantar no Centro Comercial Las Arenas, que era uma antiga praça de touros. Seguimos com intenção de estar às 19h em ponto à frente da Font Màgica, para assistir ao badalado espetáculo de som e luzes, no entanto a fonte estava, infelizmente, em obras de melhoramento. Da Plaça de Espanya apanhamos um pouco por acaso um autocarro especial para levar as pessoas atá ao ao sítio do concerto, o Palau Sant Jordi (que, diga-se, ficava mesmo ali ao lado).

Catedral de Santa Eulália de Barcelona, vista da Via Laietana


Protestos na Via Laietana (rua do nosso hotel)
Centro Comercial Arenas, na Plaça de Espanya
Longa fila para entrar no Palau Sant Jordi
Arctic Monkeys no Palau Sant Jordi

Assistimos ao brutal concerto de duas horas dos Arctic Monkeys, que também teve a participação do Miles Kane, e quando terminou fomos atrás da multidão ("go with the flow") montanha a baixo em direcção à Plaça de Espanya, onde apanhamos o metro até ao hotel para ir dormir.