segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Viagem a Madrid: Dia 5

No último dia desta nossa viagem a Madrid acordámos às 10h, fizemos as malas e dirigimos-nos à recepção do hotel para fazer o check-out e deixar lá as malas de viagem, pois o voo seria só às 18h40. Fomos tomar o pequeno almoço e entrámos na estação de metro Gran Vía, onde seguimos a linha verde até à estação Ventas. Como podem imaginar pelo nome da estação, decidimos ocupar a manhã do nosso último dia em Madrid com uma visita à Plaza de Toros de Las Ventas e ao Museo Taurino.
Convém esclarecer que somos totalmente contra as touradas e qualquer outro tipo de tortura de animais, no entanto decidimos fazer esta visita para tentar compreender um pouco melhor esta tradição e tudo o que ela envolve.

Plaza de Toros de Las Ventas

A Plaza de Toros de Las Ventas foi inaugurada em 1931 e é a maior praça de touros da Europa e a terceira maior do mundo em termos de capacidade, com cerca de 23.798 lugares. A praça apresenta um estilo neo-árabe e é semelhante ao estilo arquitetónico do Campo Pequeno, em Lisboa. É considerada a "Meca da Tourada", sendo a praça mais importante e exigente do mundo, pois desde 1931 ainda só lograram sair pela Porta Grande menos de uma centena de toureiros. Há tourada todos os domingos de Março a Outubro.

Porta Grande da Plaza de Toros de Las Ventas

Comprámos os bilhetes por 8€ cada (preços) e às 11h30 estávamos na Porta Grande para dar início à visita guiada. A Porta Grande é o sítio pelo qual qualquer toureiro que sair aos ombros da afición, tendo para tal conseguir um desempenho extraordinário que lhe permita receber duas orelhas dum touro numa tarde. Depois subimos as escadas e parámos no terraço para algumas explicações do guia sobre a arquitetura da praça. Prosseguimos e fomos ter às bancadas mais elevadas, que permitiram uma excelente vista panorâmica sobre todo o recinto.
Depois era hora de ir para dentro da arena para ter a visão que os toureiros e os touros têm quando estão lá. Não nos puseram a tourear, mas podemos pegar nas capas e nomeadamente a capa amarela e rosa era bem mais pesada do que parecia.
Sem dúvida que estar no centro da arena, no meio daquela areia misturada com sangue, foi o ponto alto desta visita, sendo que ainda vimos a Porta de Toriles (porta de onde entra o touro), Porta de Arrasto (para onde o animal é transportado no fim da tourada), o Passeio, a Porta de Enfermagem, a Porta de Cuadrillas (porta de onde entra o toureiro) e a Loja de recuerdos.

Lista de toureiros que saíram pela Porta Grande aos ombros da afición
Homenagem a Manolete na Porta Grande da Plaza de Toros de Las Ventas
Arena da Plaza de Toros de Las Ventas
Camarote Real na Plaza de Toros de Las Ventas
Camarote Real, visto do meio da arena

A Plaza de Toros de Las Ventas também contempla o Museo Taurino, que apresenta desde 1951 uma vasta coleção de objetos relacionados com o mundo tauromáquico. É interessante a visita a este museu para perceber mais um bocado sobre esta tradição, mas infelizmente não é permitido fotografar no seu interior.
Pudemos confirmar que o falecido toureiro Manolete era um autêntico ídolo e considerado o melhor toureiro de sempre e ficamos surpreendidos por constatar que os toureiros em Espanha tenham o estatuto de celebridades.

Estávamos a ficar com fome, de forma que entrámos na estação de metro Ventas, de onde seguimos até à Gran Vía para ir almoçar ao McDonald's. Terminámos às 14h de almoçar e depois aproveitámos para fazer umas compras e ir uma última vez até à Puerta del Sol e à Plaza Mayor (para ver fotos destes dois sítios veja o dia 2 desta viagem). Às 16h apanhámos o metro até ao aeroporto e despedimo-nos desta maravilhosa cidade.

Até um dia!

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Viagem a Madrid: Dia 4

No quarto dia da viagem a Madrid, saímos do hotel por volta das 10h30, tomamos o pequeno almoço no Starbucks e apanhamos o metro na estação Gran Via. O destino desta manhã era conhecer o Estádio Santiago Bernabéu, casa do Real Madrid de Mourinho e Ronaldo. Para chegar ao estádio, entramos na estação de metro Gran Vía, seguimos a linha azul clara e trocamos para a linha azul escura na estação Tribunal até à estação Santiago Bernabéu, em frente ao estádio.
Estádio Santiago Bernabéu foi inaugurado ainda com o nome de Nuevo Estádio Chamartín a 14 de Dezembro de 1947 com um jogo entre o Real Madrid e o Belenenses que ficou 3-1. Actualmente é um estádio elite da UEFA e é o segundo maior estádio em Espanha, apenas atrás do Camp Nou, e tem capacidade para 85.454 espetadores. Em termos de grandes competições, foi palco das finais do Euro '64, Mundial '82 e de quatro Ligas dos Campeões (1957, 1969, 1980 e 2010).

Exterior do Estádio Santiago Bernabéu

Eram 11h30 e dirigimos-nos às bilheteiras para adquirir o Bernabéu Tour, que permitia ver uma panorâmica do estádio nas bancadas mais elevadas; ver o museu com os imensos troféus conquistados, com especial destaque para as nove Ligas dos Campeões; estar junto ao relvado com acesso aos bancos de suplentes e respetiva área técnica; estar na sala de imprensa do lado onde costumam estar o treinador e os jogadores a falar. Geralmente também é permitido estar na bancada presidencial e no vestuário da equipa, mas na altura desta visita estava em obras.
O Bernabéu Tour está disponível de segunda a sábado das 10h às 19h e domingos e feriados das 10h30 às 18h30, sendo que em dias de jogo está disponível até cinco horas antes do início do jogo. O preço desta experiência foi de 16€ (preços).

Panorâmica do Estádio Santiago Bernabéu
Interior do Museu do Real Madrid
Prémio FIFA de melhor clube do século XX
Estádio Santiago Bernabéu ao nível do relvado
Banco de Suplentes e Área Técnica

Quando saímos eram 14h e decidimos percorrer o Paseo de la Castellana em direção à Cuatro Torres Business Area. É verdade que esta zona já não é muito turística, mas também é verdade que não é todos os dias que se vê quatro arranha céus seguidos com mais de 200 metros. Nós fizemos este percurso a pé, sendo que paramos para almoçar no McDonald's à frente da Puerta de Europa, mas recomendo que se faça de metro pois do estádio até às torres apesar de não parecer por ser sempre em linha recta ainda são 3kms!
Torre Caja Madrid com 250 metros é o maior edifício destes quatro e foi finalizado em 2009, sendo que é o maior edifício de Espanha e na altura era também o 3º maior da União Europeia e o 8º de toda a Europa. Posto isto, voltamos para trás até à Plaza de Castilla (onde está a Puerta de Europa) e apanhamos o metro até ao hotel.

Puerta de Europa e Plaza de Castilla
As torres no Paseo de la Castellana
Cuatro Torres Business Center
Cuatro Torres Business Center
A Puerta de Europa, agora do lado contrário

Às 18h voltamos a sair do hotel para, tal como em todos os dias desta viagem, percorrer a Gran Vía, a Puerta del Sol, a Plaza Mayor, etc, ou seja, percorrer as ruas e praças do centro sempre a fervilhar de gente. Voltamos a jantar um kebab no mesmo sítio do dia anterior e mais à noite fomos até a um pub irlandês e depois até a um bar, ambos os espaços ficavam perto da Puerta del Sol. Regressamos ao hotel por volta da 1h para um merecido descanso.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Viagem a Madrid: Dia 3

Como o terceiro dia do nosso city break em Madrid coincidiu com um domingo impunha-se obrigatoriamente uma visita ao Mercado El Rastro de Madrid, que com as suas 3500 tendinhas é o maior flea market (mercado ao ar livre) de Espanha e um dos maiores da Europa. O El Rastro teve origem por volta do ano 1740 e tem lugar todos os domingos e feriados na Calle de la Ribera de Curtidores (e arredores) desde as 09h00 até às 15h00. Assim sendo, saímos por volta das 10h do hotel, apanhamos o metro na estação Gran Via e seguimos na linha verde até à estação Puerta de Toledo. Mal saímos da estação vimos a Puerta de Toledo, que era uma das portas de entrada na Madrid medieval. Depois passados uns metros já víamos as primeiras tendinhas e mares de gente a frequentar o El Rastro. Percorremos o mercado, almoçamos por lá, compramos alguns recuerdos e fizemos o caminho até à estação de metro Puerta de Toledo para irmos para o hotel, pois o calor já se fazia sentir bastante.

Puerta de Toledo
Mercado El Rastro
Da parte da tarde não tínhamos nenhuma visita planeada, ou seja, a tarde estava reservada para andarmos tranquilamente e sem compromisso pela ruas da cidade. Saímos do hotel às 17h00 e fomos tal como na tarde do segundo dia à Plaza Mayor e à Puerta del Sol e depois andamos também por umas ruas menos movimentadas e passado umas duas horas de termos saído do hotel estávamos de novo na Gran Vía, em frente ao imponente edifício da Telefónica.

Edifício Telefónica
Fomos novamente para o hotel e às 21h fomos jantar um kebab numa esplanada perto da Puerta del Sol. Decidimos então ver como ficava a Plaza Mayor e a Puerta del Sol à noite. A Plaza Mayor apresentava muito movimento derivado ainda pelos inúmeros restaurantes presentes naquela praça, enquanto que a Puerta del Sol estava cheia de pessoas-estátua. Com o passar dos dias em Madrid fomos verificando que independentemente da hora, esta é uma cidade que tem sempre gente a andar nas ruas.

Puerta del Sol, à noite
Movimento M15 na Puerta del Sol
Curiosamente, este dia foi o último em que se pode ver o acampamento dos indignados do movimento M15 na Puerta del Sol, já que na manhã do dia seguinte já não havia rasto de nada devido ao facto de a polícia os ter expulsado de lá.